antig Fevereiro 26, 2018

A administração do Intermarché assegurou esta segunda-feira que os postos de abastecimento do grupo são fornecidos “em exclusivo” pela Galp e Repsol, assegurando a qualidade dos combustíveis vendidos e justificando os baixos preços à “política de lucro moderado”.

“O princípio dos Mosqueteiros assenta nos preços baixos e lucro moderado e isso é algo de que não abdicamos. A tentativa de associar os nossos preços baixos a uma menor qualidade ou, eventualmente, à prática de compra de produtos que fogem aos impostos é completamente despropositada e desprovida de fundamento”, afirmou o administrador do Intermarché, João Magalhães, em declarações à agência Lusa.

“Tanto assim é que inclusive temos uma entidade (a SGS) que certifica os nossos postos de combustível e a conformidade e qualidade do combustível que é por nós comercializada”, acrescentou.

O responsável respondia, assim, às afirmações do presidente da Prio, Pedro Morais Leitão, que em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1 referiu a existência de “concorrência desleal do Intermarché nos combustíveis”, acusando o grupo de comprar combustível a empresas que estão a ser investigadas por importações ilegais de gasóleo e de “ignorar” que se trata de “contrabando”.

Assumindo “indignação” face a estas declarações, que considera serem uma forma “desprezível” de “tentar ganhar quota de mercado dizendo mal dos concorrentes diretos”, João Magalhães assegurou que a Prio “sabe bem” que os postos de combustível do Intermarché são abastecidos pela empresa Alcapetro, do mesmo grupo, cujos “fornecedores exclusivos são, desde há já bastante tempo, a Galp e a Repsol”.

Relativamente ao processo judicial em curso em que o Estado português acusa cinco empresas que importam gasóleo de Espanha sem ser declarado, exigindo 48 milhões de euros em compensações pela “falta reiterada de pagamento”, o administrador diz estar “perfeitamente à vontade porque nem a Galp, nem a Repsol fazem parte dessa listagem”.

“Por aquilo que lemos e soubemos, essa suposta quantidade de produto representaria cerca de 4% a 5% do combustível vendido em Portugal. Não estamos preocupados com os adversários, mas em continuarmos com a nossa política de tentar garantir o melhor produto aos melhores preços aos nossos clientes, independentemente da política dos outros”, sustentou.

Sublinhando que “a Prio sabe bem qual a proveniência do combustível que o Intermarché compra e comercializa”, João Magalhães avança ainda que esta empresa tentou, aliás, “há cerca de dois meses, negociações com o grupo com o intuito de o fornecer com os seus combustíveis”.

Algo que, frisou, o Intermarché recusou porque tem com a Galp e a Repsol “contratos de fornecimento que não quer de forma alguma por em causa, dada a boa relação comercial que com eles mantém”, e também porque “não reconhece qualidade acrescida nos produtos da Prio que justificasse a sua inclusão também como fornecedor”.

Adicionalmente, disse o administrador à Lusa, a Prio é atualmente “fornecedor de postos de combustível de um concorrente” do Intermarché na área da distribuição alimentar, “o que poderia configurar, se não falta de ética, pelo menos alguma promiscuidade comercial”.

Convicto que as declarações do presidente da Prio pretenderam apenas “denegrir a imagem” do Intermarché, atentando contra “o bom nome, prestígio e credibilidade” de um “concorrente direto”, numa “atitude censurável e de concorrência desleal”, João Magalhães afirma-se “indignado” e deixa no ar a pergunta: “Sendo assim, como é que às vezes os postos fornecidos por esse operador conseguem ter preços mais baixos do que os nossos? Qual é, então, o segredo deles? É que não bate a bota com a perdigota”.

Fonte: JN

Comentários

comentários